Conta de Luz: entenda o peso do novo reajuste da taxa extra mais elevada

Foto ilustrativa da conta de luz em São Paulo. — Foto: ADRIANA TOFFETTI/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Com a crise hídrica enfrentada pelo país e a queda do nível dos reservatórios de hidrelétricas, a conta de luz terá uma taxa extra ainda mais elevada em julho. O aumento da bandeira tarifária vermelha patamar 2 – anunciado nesta terça-feira (29) – vai pesar no bolso da famílias e representar uma alta de 5,45% na conta neste mês na comparação com junho.

Nesta terça, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou um reajuste na bandeira tarifária vermelha patamar 2 para as contas de julho

A cobrança passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos, uma alta de 52%.

Segundo a Aneel, o acionamento além do previsto de usinas termelétricas para garantir o fornecimento de energia em 2021 vai custar R$ 9 bilhões aos consumidores. De janeiro a abril deste ano, o uso emergencial dessas usinas já custou R$ 4,3 bilhões.

Entenda o impacto no seu bolso

Com o reajuste, uma família que consome 152 kWh por mês, por exemplo, terá uma conta de luz no valor de R$ 124,59 em julho quando começa a vigorar a bandeira vermelha patamar 2. Em junho, antes do aumento, esse valor foi de R$ 118,15 (veja no gráfico mais abaixo).

Os cálculos foram feitos por Marcos Rosa dos Santos, professor de engenharia elétrica do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT). Eles já levam em conta os custos com PIS, Cofins e ICMS. As projeções desconsideraram tributos municipais.

O forte impacto da crise hídrica nas contas de luz também fica evidente quando se faz a comparação considerando a hipótese de a bandeira verde estar em vigor, portanto, sem a cobrança de valor extra.

Em junho, com a bandeira verde, a mesma família gastaria em torno de R$ 105,79. Nesse cenário, haveria um alta de17,7% no mês de julho.

Reajustes da conta de luz — Foto: G1

Veja dicas para economizar energia:

Entre os vilões da conta de luz estão equipamentos que consomem energia para gerar calor, como chuveiro elétrico, secadora de roupas, aquecedor e ferro de passar.

Eletrodomésticos tradicionais também aumentam os gastos, principalmente geladeira, micro-ondas, freezer e máquina de lavar roupas.

  • Trocar lâmpadas fluorescentes por lâmpadas led;
  • Apagar as luzes durante o dia;
  • Reduzir tempo de banho para, no máximo, 5 minutos;
  • Passar apenas as roupas necessárias;
  • Desligar equipamentos em desuso da tomada;
  • Diminuir a temperatura da geladeira no inverno;
  • Se possível, trocar eletrodomésticos antigos por modelos novos.

Fonte: G1 – Patrícia Basilio

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Imprimir

Sobre o autor

Equipe Tupãense Notícias

Equipe Tupãense Notícias

O portal Tupãense reúne os melhores produtores de conteúdo da região para fornecer a você notícias de alta qualidade.

Mais notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Proibida a reprodução total ou parcial. Para licenciar este conteúdo e reproduzi-lo entre em contato com nossa equipe comercial.