1º de Maio será celebrado nacionalmente com evento online

Para marcar o Dia Internacional do Trabalho, as Centrais Sindicais brasileiras irão organizar neste sábado um grande evento online, que vai mobilizar, além de entidades de representação dos trabalhadores, lideranças políticas e vários artistas. A live tem início às 14 horas e será transmitida pelas redes sociais (facebook.com/UGTBRASIL).

O presidente do Sindicato dos Comerciários e da União Geral dos Trabalhadores de São Paulo (UGT-SP), Amauri Mortágua destacou que o acontecimento é organizado para lembrar a importância da data e destacar a importância dos trabalhadores no atual cenário. “Não se trata de uma comemoração, uma vez que o momento vivido atualmente pelo mundo é de extrema tristeza. É, na verdade, um evento de conscientização, agradecimento e reflexão”, destacou.

Este é o terceiro ano seguido que as centrais sindicais farão um 1º de Maio conjunto, em formato virtual, como em 2020. Entre os convidados que já confirmaram presença, estão os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), que participaram do 1º de Maio do ano passado.

Por sugestão da UGT, as Centrais Sindicais adotarão como tema deste ano para o evento de 1º de Maio a tríade “Vida, Emprego e Democracia”. Segundo os organizadores, o objetivo é realizar uma edição mais compacta neste, com cerca de duas horas de duração. Mesmo com o formato mais enxuto, a expectativa é de que se repita o sucesso de público registrado na última edição, que teve cerca de 15 milhões de visualizações e contou com a participação de artistas consagrados, como o britânico Roger Waters, da banda Pink Floyd.

União

Em artigo que teve grande repercussão em todo o estado, o líder sindical tupãense avaliou o momento vivido pelo planeta e suas implicações no movimento trabalhista. No texto, Mortágua faz um resgate histórico do 1º de Maio e seus reflexos até os dias atuais. Leia a íntegra:

No final do século XIX, o mundo era muito diferente. Em fábricas imundas, homens e mulheres de todas as idades, incluindo crianças, eram obrigados a cumprir jornadas que podiam chegar a 17 horas de trabalho, em ambientes insalubres e condições degradantes.

Apesar da rotina excruciante, que lhes tomava a vida e qualquer outra esperança de um futuro mais promissor, poucos ousavam reclamar ou pedir por condições mais justas de trabalho. Enquanto um pequeno grupo se tornava cada vez mais rico, os trabalhadores morriam às centenas e eram simplesmente substituídos, como peças de uma máquina desenhada para moer estes profissionais e sua dignidade.

Em 1886, esse cenário começou a mudar. Em Chicago, nos Estados Unidos, um grupo ousou desafiar o sistema, que até então parecia soberano na missão de explorar seres humanos como se exploram as máquinas. Estes trabalhadores pediam algo que, na época, soava impossível: uma jornada de trabalho de 8 horas, com valorização e respeito.

Unido, o grupo conseguiu fazer com que suas ideias chegassem a companheiros de outras cidades e, aos poucos foi ganhando mais e mais apoio. Até que, no dia 1º de maio, milhares de pessoas iniciaram uma grande greve, movimento que ajudou a transformar as relações de trabalho e diminuir a exploração dos mais fracos por parte dos poderosos.

1º de maio é, portanto, dia para refletir: foi nesta data, há 135 anos, que os trabalhadores descobriram que, unidos, podem transformar o mundo. Naquele distante 1886, milhares de homens e mulheres deixaram de lado suas diferenças para lutar por dignidade, valorização e reconhecimento. Lutaram ainda para preservar suas vidas. E venceram.

A história do movimento trabalhista é marcada por muito sofrimento, perseguições e injustiças. Mas é também cheia de vitórias e conquistas. Neste período, quando o mundo se assombra com uma pandemia que traz tanto sofrimento, é preciso que os trabalhadores permaneçam unidos.

Juntos, estamos há anos vencendo a exploração, a desigualdade e a injustiça em todo o mundo. Juntos, vamos superar a tristeza e a desesperança que esta doença trouxe. Porque a união nos fortalece e nos torna maiores e, unidos, somos capazes de superar qualquer barreira.

1º de maio é dia de refletir. Mas também de celebrar. E manter viva a chama que, acesa em 1886, permanece iluminando o caminho de todos os trabalhadores do mundo até hoje.

A luta continua, porque, mesmo passados 135 anos, ainda é preciso lutar para manter a jornada de trabalho de 8 horas, as conquistas e os direitos trabalhistas, na busca de justiça social, valorização e respeito para trabalhadoras e trabalhadores que, em todos os dias, fazem o mundo girar, produzindo, transformando e garantindo nossas vidas! Viva o 1º de maio!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Imprimir

Sobre o autor

Equipe Tupãense Notícias

Equipe Tupãense Notícias

O portal Tupãense reúne os melhores produtores de conteúdo da região para fornecer a você notícias de alta qualidade.

Mais notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Proibida a reprodução total ou parcial. Para licenciar este conteúdo e reproduzi-lo entre em contato com nossa equipe comercial.