A bióloga e a engenheira: conheça a 1ª dupla feminina a andar no espaço

Christina Koch (esq.) e Jessica Meir, primeiras mulheres a realizarem juntas uma caminhada espacial. Imagem: Nasa/Divulgação

Elas conseguiram. Quase sete meses depois de uma gafe da Nasa (Agência Espacial Americana), as astronautas Jessica Meir e Christina Koch protagonizam nesta sexta-feira (18) a histórica primeira caminhada espacial 100% feminina.

A missão começou 8h50 (horário de Brasília) e está sendo transmitida pela Nasa ao vivo. Meir e Koch deixaram a Estação Espacial Internacional (ISS) para trocar uma peça que quebrou no último fim de semana.

Chamada de unidade de carga/descarga de bateria, a peça faz parte do sistema de energia da estação, mas a falha não comprometia a atuação da tripulação que trabalha na órbita terrestre.

O feito era esperado para o final de março, quando Koch e outra astronauta, Anne McClain —que retornou à Terra em junho— sairiam da ISS juntas. O plano não deu certo porque não havia trajes espaciais do tamanho adequado para equipá-las com segurança.

Um longo caminho

Se você tem curiosidade para saber o que Meir e Koch fizeram até chegarem à Estação Espacial Internacional, antecipamos que foram caminhos longos, ricos e bem diferentes.

Ambas foram selecionadas como astronautas da agência em 2013 e a trajetória de Christina Koch talvez seja a mais tradicional, por estar sempre ligada às ciências exatas.

Hoje com 40 anos, ela cresceu na Carolina do Norte e lá concluiu o colégio, com estudos focados em ciências e matemática, e entrou na universidade NC State. Desta instituição, Koch se tornou mestre em engenharia elétrica e bacharel em física.

Jessica Meir, 42 anos, começou a vida acadêmica com um título de bacharel em artes em biologia, obtido na prestigiada Brown University (da mesma “liga” de Harvard). A academia levou a bióloga a uma área completamente distinta no mestrado: Estudos Espaciais na Universidade Espacial Internacional, sediada na França. Ela não parou por aí, afinal se tornou doutora em Biologia Marinha pela UC San Diego.

Essa relação com a biologia está marcada na descrição dela no Twitter: “Astronauta da Nasa. Fisiologista comparativa. Exploradora. Amante da natureza. Atual residente da Estação Espacial Internacional”.

O primeiro contato com a Nasa

Os estudos podem diferenciar as primeiras mulheres a realizarem uma caminhada espacial juntas, mas o vínculo das duas com a Nasa começou muitos anos antes de elas serem selecionadas juntas para a 21ª turma de astronautas da agência. Dois anos mais velha, Meir começou os trabalhos relacionados à agência espacial mais cedo, em 2000.

Usando seus conhecimentos em biologia, combinados com os estudos espaciais, ela trabalhou com pesquisa de fisiologia humana no —hoje finado— programa de ônibus espacial e na Estação Espacial Internacional. Na mesma época, Meir estudou experimentos da Nasa em voos de aeronaves com gravidade reduzida e participou da tripulação do submarino Aquarius na quarta edição das Missões de Operações de Ambientes Extremos, em 2002.

Koch graduou no programa de academia da Nasa em 2001 e trabalhou como engenheira eletricista no laboratório de astrofísica das altas energias do Goddard Space Flight Center, em Maryland, de 2002 a 2004. Lá ela contribuiu com instrumentos científicos usados em missões da agência espacial, a partir de estudos em cosmologia e astrofísica.

Hoje, anos depois, ela se diz “sortuda por estar vivendo dentro de uma maravilha da engenharia”.

Antes do espaço, o mundo

Depois dessas primeiras experiências na agência, Meir e Koch seguiram suas carreiras para caminhos bem diversos.

Meir foi estudar a fisiologia de mergulho de mamíferos marinhos e pássaros, com foco no Pinguim-imperador, e treinar gansos a voar em túneis de vento para obter medidas fisiológicas em condições adversas de oxigênio. Os dois trabalhos a levaram ao posto de professora assistente em Harvard, onde ela seguiu estudando a fisiologia de animais em ambientes extremos.

A colega de caminhada espacial não ficou muito atrás: Koch representou os Estados Unidos como pesquisadora na Antártica, ficando mais de um ano em uma estação no Polo Sul e participando do programa americano na região de 2004 a 2007.

A então engenheira eletricista até voltou a trabalhar com desenvolvimento de instrumentos científicos espaciais no ambiente universitário, contribuindo para a Nasa, mas logo retomou seus trabalhos de campo na Antártica, Groenlândia, Alaska e Samoa Americana, no meio do Oceano Pacífico.

A trajetória aventureira colocou-as na mesma turma e culminou com o feito histórico desta sexta. Para Christina Koch, os feitos históricos ainda não acabaram. Após coloca-la em três expedições consecutivas na Estação Espacial Internacional, a Nasa planeja que ela se torne a mulher a ficar mais tempo no espaço. Na estação desde março, ela tem retorno previsto em fevereiro de 2020, após 328 dias na órbita do planeta.

Fonte: UOL

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Imprimir

Sobre o autor

Equipe Tupãense Notícias

Equipe Tupãense Notícias

O portal Tupãense reúne os melhores produtores de conteúdo da região para fornecer a você notícias de alta qualidade.

Mais notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Proibida a reprodução total ou parcial. Para licenciar este conteúdo e reproduzi-lo entre em contato com nossa equipe comercial.