Pastor pede “Perdão” após satanizar imagem de Nossa Senhora e declara que não transgrediu nenhuma lei 

O pastor Sérgio Fernandes pede “perdão” após criticar a imagem de Nossa Senhora durante um culto religioso, alegando que não violou nenhuma lei. Após uma grande repercussão nas mídias sociais e na imprensa nacional devido a um vídeo em que proferiu palavras duras sobre a imagem instalada no município de Bastos, ele publicou uma carta de retratação.

Leia na íntegra: 

CARTA DE RETRATAÇÃO

Diante da justificada repercussão negativa de uma fala minha, no último domingo, num culto da Igreja Vida Nova, a qual pastoreio, venho através desta nota pública esclarecer e, principalmente, me retratar pelos excessos cometidos.

Na ocasião, meu foco era expor a reprovação ao fato de que o poder público municipal havia erigido como monumento um ícone religioso que não representa a totalidade da população de Bastos. A meu ver, verbas públicas devem ser guardadas pela laicidade do Estado, não promovendo nenhuma vertente religiosa em particular, seja católica, evangélica ou outra qualquer. Expor isso era a minha intenção.

Todos sabem que não apenas a Igreja Vida Nova, mas as igrejas de fé evangélica em geral rejeitam o uso de imagens de escultura como objeto de culto, em observação ao segundo dos Dez Mandamentos, registrados na Biblia Sagrada: “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o Senhor, teu Deus,

Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem e faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos” (Êxodo 20:4-6). A defesa desta posição nos é garantida constitucionalmente pela liberdade de crença, de pensamento e de expressão, não tendo sido transgredida nenhuma lei no episódio.

Dito isto no intuito de esclarecer as circunstâncias e intenções da minha fala, venho por meio desta nota reconhecer que me excedi nos termos e argumentos usados, sendo ofensivo, ferindo a sensibilidade e a fé sincera de muitas pessoas. A Bíblia diz que “todos tropeçamos de muitas maneiras. Se alguém não tropeça no falar, tal homem é perfeito, sendo também capaz de dominar todo o seu corpo” (Tiago 3:2). Eu, sendo imperfeito, tropecei nas palavras.

No calor do momento e sem medir a repercussão que aquilo poderia gerar, usei de termos inadequados para me referir a algo que para muitas pessoas é sagrado. Por reconhecer e me arrepender disso, venho publicamente me retratar e pedir perdão à comunidade católica e a todos os que se ofenderam com minha argumentação.

Finalizo enfatizando que tanto eu, quanto a Igreja Vida Nova comunidade que pastoreio, nunca estivemos envolvidos em nenhum episódio de intolerância religiosa. Nossa história de 14 anos em Bastos é marcada pelo respeito, pelo empenho em contribuir para o bem comum e por sermos um povo pacífico, que respeita os que pensam diferente, sem abrir mão da missão de divulgar a fé que tem, o evangelho de Cristo. Esse histórico de harmonia com a sociedade e bom testemunho, aumenta ainda mais meu arrependimento por ter me excedido nas palavras, vulnerabilizando uma boa imagem, construída com tanto empenho e por tanto tempo pelo nosso rebanho. Por isso, também peço perdão às ovelhas que pastoreio que, por um excesso meu, foram expostas à rejeição.

Reitero minha disposição de servir a cidade, contribuindo com sua harmonia e conto com o perdão de todos aqueles que se sentiram feridos.

Sérgio Fernandes

Pastor da Igreja Vida Nova – Bastos SP

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Imprimir

Sobre o autor

Equipe Tupãense Notícias

Equipe Tupãense Notícias

O portal Tupãense reúne os melhores produtores de conteúdo da região para fornecer a você notícias de alta qualidade.

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Últimas notícias

Proibida a reprodução total ou parcial.

Para licenciar este conteúdo e reproduzi-lo
entre em contato com nossa equipe comercial.